Follow by Email

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Memória das cidades


Não sei se isso acontece com todo mundo, acredito que sim, de chegar a uma cidade pela primeira vez e ter a sensação de que já esteve lá, ou que poderia viver naquele lugar, para sempre. Cidades como o Rio de Janeiro - onde aportei pela primeira vez em 1968 -, Veneza, Paris, Lisboa, Havana e, mais recentemente, o pequenino povoado de Santo André, fundando entre o caudaloso rio João do Tiba e o mar do Sul da Bahia, em sua performance mais azul, tranquila e caliente. Meu Deus, o que é aquilo!
Essa sensação eu não tive em outras tantas e lindas cidades visitadas, no Brasil ou fora daqui. Comecei, então, tentar entender o porquê dessa identidade com cidades tão distintas, histórias, linguagens, climas, culturas... Em todas elas eu estive sozinha. À Santo André, a primeira viagem foi em companhia de amigos. Porém, assim que retornei, tive uma vontade incontida de voltar, absolutamente desacompanhada, e (re)encontrar o lugar com meus próprios olhos, meus próprios sentimentos. Enfim, na terceira viagem àquele lugar, já estava com uma casinha alugada, e praticamente mobiliada.
De tanto pensar, acabei descobrindo, durante a experiência de uma mulher que viaja sozinha, carregando suas malas, fazendo suas próprias escolhas, aqueles lugares que tocaram fundo minha alma, aonde, penso, aprendi a ser só. Lugares onde, admirando a paisagem, entre um café ou um drinque, fui feliz: um chope e o por do sol em um bar no Arpoador, no Rio de Janeiro; um expresso com creme na Piazza San Marcos, em Veneza; uma taça de “portô rouge”, em um café na beira do Sena, em Paris; a cerveja gelada no fim da tarde, no miradouro de Santa Catarina, em Lisboa; o trago de rum no calçadão do Malecon, em Havana e, finalmente, um espumante de frente pro mar de Santo André, na Bahia.
Esses foram momentos de pura felicidade, nenhuma culpa ou (pré)conceito. Vou seguir em frente, sozinha, ser for o caso.   

5 comentários:

  1. Certíssima.
    Tenho essas sensações também (de já ter ido àquele lugar) e nunca consegui explicar. É como se tivéssemos sido feitas pra ele, nascidas adaptadas para ele.
    Viajar não implica estar acompanhada - muitas vezes, nas melhores estávamos sós.
    Abraço pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem está bem com si mesmo está bem com o mundo, não é?
      Grande abraço
      Giselle

      Excluir
  2. Gente, que blog lindo! :)
    Li sobre ele em um artigo da Folha de são Paulo e me encantei com os textos, assim como me encanto com tudo o que prega a liberdade. Apesar de viajar algumas vezes com meu marido, eu também viajo muito sozinha, pelo simples prazer de fazê-lo. Nós dois acreditamos que esses momentos de liberdade solitária são essenciais à nossa sanidade mental. As dicas dadas aqui são muito boas, toda mulher que viaja sozinha precisa ler!
    Abraços,
    Lidia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lídia,
      Eu fico muito comovida com os comentários de vocês. Muito obrigada, você captou bem a intenção do blog.
      Um grande abraço,
      Giselle

      Excluir
  3. mas onde você deixava seus pertences quando ia para o mar?

    ResponderExcluir